Evolução para uma vida sem sentido?

Pieter Brueghel the Elder – Museo del Prado. Public domain available by Wikipedia.

By Tiago Zortea.

Dimensões: 117 x 162 cm. Local de exposição: Museo del Prado, Madrid. Título da obra: “O triunfo da morte”. Antes de prosseguir a leitura, clique na imagem e separe alguns minutos para analisar esta obra detalhadamente. Concluída em 1562, esta magnífica pintura da renascença flamenga é de autoria do grande artista holandês Pieter Brueghel de Oude. Nela o autor retrata com grandeza e brutalidade o destino de todos nós: a morte. Repare que muitas pessoas são indiscriminadamente tomadas pelo decesso, de plebeus a nobres, de crianças a idosos, do clero à realeza. Ninguém escapa. O exército de esqueletos que consigo trazem o fim é absolutamente invencível. Fingimos esquecer que seremos alcançados – tal como o músico do canto direito inferior da tela que, em meio à morte de todos ao seu redor, simplesmente toca seu instrumento. Mas que faremos a não ser fingir esquecer? Pode esta trágica lembrança nos ensinar algo sobre a vida? Continue reading

Advertisements

A “estranha morte” do Behaviorismo Radical

death_of_behaviourism

Longe de estarem mortas, muitas das ideias do Behaviorismo Radical estão no cerne de como conceituamos e aplicamos a ciência psicológica hoje. Este artigo analisa como os pontos de vista do Behaviorismo Radical sobre a construção social da ciência, a evolução, a psicoterapia com base em técnicas mindfulness, a neurociência, a epigenética e as políticas públicas estão realizando um importante papel em nossa sociedade.

Continue reading

Continuar vivendo…

áspas

“Não se trata de não sofrer – pois então o suicídio sempre seria a melhor solução. Trata-se de viver, o mais possível, o melhor possível: trata-se de ser feliz, tanto quanto se conseguir, e, claro, nunca se é feliz senão aproximadamente. Esse aproximadamente, todavia, não é alguma coisa, nem tudo. Quem chamaria de “felicidade” um bem-estar que só fosse alimentado por drogas ou ilusões? Que elas possam ser necessárias, por vezes, tristemente necessárias, está bastante claro. Que possam bastar, isso é o que não se poderia aceitar. Só há verdadeira felicidade numa relação feliz com a verdade. Feliz? Quer dizer amante, se entendermos por amor, como faz Spinoza, a alegria que nas daquilo que conhecemos. É o amor verdadeiro ao verdadeiro, e o único conteúdo da sabedoria. A verdadeira vida não está alhures, a verdadeira vida não está ausente: a verdadeira vida é a vida verdadeira.”

André Conte-Sponville, 1997, p. 75 – “Bom dia, Angústia!”