A crise da masculinidade: Homens estão lutando para lidar com a vida

Photo by Joshua Earle

Há uma crise na masculinidade moderna, com homens que estão lutando para enfrentar as pressões de suas vidas pessoal e profissional, de acordo com um relatório de pesquisa publicado pela ONG britânica CALM (Campaign Against Living Miserably).

O relatório, publicado em referência ao Dia Internacional dos Homens (19 de Novembro), busca endereçar as razões pelas quais os índices de suicídio entre homens no Reino Unido se mantêm os mais elevados ininterruptamente há 15 anos (em torno de 4.500 só em 2013). O suicídio atualmente é a maior causa de mortes entre homens com faixa etária de 20 a 49 anos na Inglaterra e no País de Gales, além do fato de que 78% de todos os casos ocorridos no Reino Unido são de pessoas do sexo masculino. O índice entre mulheres, em comparação, tem declinado.

O relato de pesquisa da CALM, intitulado “A Crisis in Modern Masculinity: Understanding the Causes of Male Suicide” (“Uma crise na masculinidade moderna: Compreendendo as causas do suicídio entre homens”), analisou as pressões e expectativas com as quais homens e mulheres convivem cotidianamente e concluiu que os homens estão falhando em lidar com esses fatores, além de manterem seus problemas escondidos dos outros.

Aproximadamente metade dos mil participantes da pesquisa, incluindo homens e mulheres, afirmaram ter experimentado algum tipo de depressão, apesar de as mulheres apresentarem muito mais probabilidade de buscar ajuda ou compartilhar seu sofrimento com algum amigo ou amiga. 74% das mulheres que sofreram depressão disseram que conversaram com alguém sobre isso, enquanto apenas 53% dos homens o fizeram. 69% dos homens que viveram episódios depressivos disseram que preferem lidar com seus próprios problemas por si mesmos.

Quando o assunto foi o trabalho, 42% dos homens afirmaram sentir-se pressionados a ser o principal provedor da família, sentimento compartilhado apenas por 13% das mulheres. Dentre o total de entrevistados, os homens foram os mais propensos a terem perdido o emprego previamente (54% comparado à 35% das mulheres) e a terem ficado desempregados mais de uma vez (25% comparado à 10% das mulheres). 29% dos homens afirmaram acreditar que suas parceiras ou parceiros pensariam que eles são “menos homens” se perdessem seus empregos.

Quando questionados sobre relacionamentos, em torno 3 a cada 10 homens disseram sentir que são destituídos de qualidades e habilidades que uma parceira ou parceiro (romântico ou sexual) procura em um homem.

Homens também apresentaram probabilidade muito maior de engajarem-se em comportamentos de risco nos últimos três meses (73% comparado à 58% das mulheres).

Os homens também afirmaram sentir pressões adicionais para se manterem fortes durante tempos de crise. Aproximadamente 42% dos participantes do sexo masculino disseram acreditar que o homem é o “maior responsável” por ser emocionalmente forte e assumir o controle nas situações críticas, opinião esta compartilhada por em torno de 17% das mulheres.

Comentando sobre os resultados do estudo, a chefe executiva da CALM, Jane Powell afirmou: “A pesquisa destaca que muitas vezes sendo seus próprios inimigos, os homens precisam de novas regras de sobrevivência. As crenças masculinas antiquadas, incorretas e perdidas estão provando serem letais, e a tradicional resposta “forte e silenciosa” à adversidade tem falhado crescentemente em proteger os homens de si mesmos. Os homens precisam conversar antes de socarem a parede em um momento de crise ou quando sentirem que estão no fim da linha. A normalidade no fato de as mulheres discutirem livremente seus problemas é, sem dúvida, um fator contribuinte para o declínio das taxas de suicídio entre elas, e destaca a necessidade de uma estratégia de prevenção ao suicídio baseada no fator gênero. Até agora, governo e sociedade tem falhado em agir sobre esta chacina auto-infligida e evitável de nossos maridos, parceiros, irmãos e filhos”

—-
Notas:
[1] Texto originalmente publicado pelo jornal britânico The Telegraph em 19 de Novembro de 2014, traduzido por Tiago C. Zortea para publicação na seção Pesquisas em S&C. A publicação original pode ser acessada pelo link: http://goo.gl/4yHRZ8
[2] O acesso ao relatório pode ser conferido através do link: https://www.thecalmzone.net/2014/11/masculinity-audit/

Para ter acesso a esta tradução na versão pdf, clique aqui.

—-

Como citar este texto:

APA (6th Edition):

Telegraph Men. (2014, November 19). ‘A crisis of masculinity’: Men are struggling to cope with life. The Telegraph. Retrieved from http://www.telegraph.co.uk/men/thinking-man/11238596/A-crisis-of-masculinity-men-are-struggling-to-cope-with-life.html.

ABNT:

TELEGRAPH MEN. ‘A crisis of masculinity’: men are struggling to cope with life. The telegraph. Londres. 19 nov. 2014. Disponível em: <http://www.telegraph.co.uk/men/thinking-man/11238596/A-crisis-of-masculinity-men-are-struggling-to-cope-with-life.html&gt;. Acesso em: DD mmm. AAAA.

Advertisements

2 thoughts on “A crise da masculinidade: Homens estão lutando para lidar com a vida

  1. Pingback: Psicoterapia é coisa de homem. | Diego Souza

  2. Pingback: Psicoterapia é coisa de homem | Ello: Núcleo de Psicologia e Ciências do Comportamento

Comente!

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s