Sobre as relações entre problemas do sono e pensamentos suicidas

Por Tiago Zortea


Versão em PDF • 


Não é nova a notícia de que o sono possui extrema importância para a saúde, tal como respirar, se alimentar, beber água. Sabe-se que ele permite a restauração física de todo o corpo, particularmente do cérebro, ajudando a consolidar memórias e processos de informação. Quando dormimos, nosso cérebro não está apenas fortalecendo nossas memórias, mas também as está organizando, selecionando os detalhes emocionais e possibilitando que sejamos criativos [1]. É o sono que nos permite funcionar de maneira efetiva durante o dia. Por esses e diversos outros motivos, é sempre aconselhável ir para a cama mais cedo e ter uma boa noite de sono quando se possui uma entrevista de trabalho no dia seguinte, a prova do ENEM, ou qualquer outra atividade que demande um funcionamento adequado do cérebro e do resto do corpo no dia seguinte. Devido a toda esta importância, não é difícil concluir que os problemas do sono afetam todo o nosso funcionamento – físico, mental e emocional. Continue reading

Sono e ideações suicidas

bekah-russom-232003-unsplash

By Tiago Zortea.

Quando se fala em fatores de risco para o comportamento suicida, pensamos em qualquer variável que possa aumentar as chances de alguém pensar em tirar a própria vida. Fatores de risco em si são muito pobres em predizer a ocorrência de pensamentos e comportamentos suicidas – por isso a necessidade de modelos explicativos que orientem a nossa prática. Quando avaliamos um paciente, é preciso investigar o máximo sobre quais são esses fatores de risco idiossincráticos e como eles interagem. A duração e a qualidade do sono são alguns deles. Continue reading